terça-feira, 14 de junho de 2011

Numerologia Kármica


O tempo deixa seus vestígios tanto no corpo quanto na alma. O que somos hoje é o resultado da soma de todas as experiências que nossa alma teve ao longo de suas muitas encarnações. Nossos pensamentos, sentimentos e até mesmo nossa aparência física sofrem influência de nossas vidas pregressas.
Os mapas da alma, como têm sido chamados os instrumentos simbólicos como a astrologia, a numerologia e o tarot, podem revelar muito bem esses vestígios bem como a influência deles sobre a personalidade e um determinado período de vida. Alguns “sinais” devem ser observados nesses mapas para que as informações sejam apuradas o mais precisamente possível. Dentro do estudo numerológico alguns desses sinais podem ser bem reveladores sobre nossas heranças Kármicas. Devemos sempre lembrar que o karma não é um castigo ou uma recompensa, é o retorno puro e simples de nossas ações, que se refletem numa ou talvez em muitas outras vidas. Vamos às observações:

Letras que faltam: A ausência de uma ou mais letras no nome assinala a ausência de certa vibração numérica, como se algo naquela pessoa estivesse faltando. Algo parecido com quando nosso organismo tem uma deficiência natural em absorver uma determinada substância ou proteína. A ausência das letras C, L, e U, por exemplo, assinalam a falta do número 3 no conjunto vibracional do nome de uma pessoa. *Essa falta assinala uma existência pregressa, em que o indivíduo lidou mal com o poder da palavra, liderou pessoas com grande poder de influência, mas com pouco senso de responsabilidade e conseqüência. Isso e mais uma série de outras coisas relacionadas ao simbolismo da ausência do 3 marcarão intensamente as vivências da presente encarnação.


A data de nascimento: A soma do dia, mês e ano do nascimento revelam o número de destino, ou caminho de vida. Esse dígito mostra a proposta da alma para a presente encarnação, mas como assinalou muito bem o numerólogo americano **Richard Vaughan, de um modo geral as pessoas resistem a aceitar o que propõe o seu número de destino. A explicação é bem simples, a vida segue em uma evolução progressiva, como na contagem dos números: 1, 2, 3... Por isso se a data de nascimento de uma pessoa tem como resultado final o 5, isso indica que em vidas anteriores ela já desenvolveu bem as qualidades de um número 4, estabilidade, trabalho, rotina, ordem. Atualmente a vida dirigida pelo 5 estimula exatamente o oposto! As experiências com o 4 em outra existência muitas vezes se cristalizam a ponto de criar uma resistência interior a nova proposta. O restante do mapa deve ser avaliado para que se possa medir a intensidade desse conflito, o que influenciará bastante na escolha de uma nova assinatura.

O segundo nome: Pessoas que possuem nomes secundários como João Luiz, por exemplo, nesse caso Luiz é um nome de influência Kármica. A soma dos números desse nome mostra quais as lições que foram aprendidas pela alma em outras vidas e que agora podem ser compartilhadas com a humanidade. Algo assim mais próximo do Dharma, ou dever. Algo que já foi desenvolvido e amadurecido no âmago da consciência e que agora deve ser posto a serviço do mundo através das relações mais próximas de cada um.

A vida que conhecemos é um reflexo
de muitas outras encarnações.


O nome dos pais: O sobrenome que recebemos dos nossos pais traz em si a essência do karma familiar, uma característica, que também pode ser uma limitação, que vem sendo compartilhada e trabalhada pelos ancestrais ao longo de muitas gerações. A alma ao encarnar em determinada família está identificada com essa característica e a viverá para que possa auxiliar aquele grupo de almas a evoluir também. Assim, ao investirmos num processo de autoconhecimento e autodesenvolvimento estamos tanto crescendo para nós mesmos e nossas vidas futuras, como também para todos os nossos descendentes.

Os números Kármicos: Dentro do estudo numerológico os chamados números Kármicos são quatro números compostos que se ligam ao simbolismo do tarot. Eles são o 13 (A Morte), o 14 (A Temperança), o 16 (A Torre) e o 19 (O Sol). Ao surgirem nos cálculos de um mapa individual não devem ser reduzidos e na sua interpretação eles devem ser vistos como intensificadores das ações negativas dos seus números raízes 4, 5. 7 e 1 além de possuírem suas próprias significações simbólicas. O 13 têm um karma relacionado à disciplina e ao trabalho contínuo. O 14 está relacionado aos vícios e às fraquezas da alma. O 16 com a violência, as perdas súbitas e rompantes de temperamento. E, por fim, o 19 está ligado ao poder e ao risco do excesso de orgulho que advêm dele.
Um mapa numerológico é uma composição de fatores que tecem a rede do que podemos chamar de o destino de cada um. Avaliar algumas partes sem o conhecimento do todo pode criar só deturpação e desinformação. Por isso ao invés de ficar fazendo suposições, faça o seu mapa numerológico com um profissional experiente!

*Para isso deve ser observado se no mapa existe essa relação com o poder, pois a falta do 3 pode acarretar, entre tantas outras coisas, distúrbios de fala. Nunca esqueça que o mapa numerológico é um organismo integrado!

** Números, Símbolos para o Autoconhecimento 
Editora Siciliano. São Paulo, 1990

Nenhum comentário:

Postar um comentário